Qual o impacto da Inteligência Artificial na economia do Brasil?

Compartilhe

O potencial da Inteligência Artificial cresceu bastante nos últimos anos, principalmente na economia. A China, país com o segundo maior PIB do mundo, investiu mais de 300 bilhões de dólares em tecnologia no ano de 2017. Não é à toa, já que ela pretende ser o centro de inovação da Inteligência Artificial até 2030. Mas, afinal, qual o cenário atual do Brasil no mundo da tecnologia?

Na prática, não temos investimentos em pesquisa no Brasil. Estamos adiantados em relação aos países da América Latina, mas atrasados em relação aos Estados Unidos, China e boa parte da Europa. De acordo com a Future Health Index, o Brasil é o país que menos investe em pesquisas no campo da Inteligência Artificial dos mais de 16 países entrevistados.

Um dos benefícios de investir nesse campo é o aumento do PIB. De acordo com uma pesquisa da Microsoft, com o investimento, o PIB poderia chegar a 7,1%. Com o aumento do PIB, a produtividade do país como um todo também aumentaria, principalmente o comércio varejista e as áreas de serviço público. A criação do centro de pesquisa em Inteligência Artificial foi um passo importante, mas é preciso fazer mais.

De acordo com o doutor em Engenharia Elétrica e pesquisador do ICA, Alexandre Ashade, teremos grandes mudanças em relação ao nosso trabalho: “Acredito que a IA realmente mudará a forma como pensamos, agimos e vemos o mundo. Teremos uma transformação na mão de obra, na qual os trabalhos braçais ou sistemáticos serão ocupados por máquinas inteligentes, enquanto os trabalhos menos sistemáticos e mais criativos serão ocupados pelos seres humanos. Portanto, algumas profissões tendem a perder espaço. Exemplos incluem advogados, médicos clínicos, engenheiros e profissões de escritório em geral, que operam no dia a dia com base em decisões dependentes de teorias bem estabelecidas ou padrões claros. ”

Ashade ainda falou sobre o empreendedorismo e o papel do governo na transição das profissões para o mundo tecnológico: “Destaco que a revolução de IA no Brasil deve vir por meio da iniciativa privada associada ao empreendedorismo. O papel do governo neste cenário é estimular o surgimento de startups que busquem criar soluções de IA para empresas de porte maior, como supermercados, emissoras de televisão, empresas de transporte e logística, entre outras. Também coloco a necessidade de o governo estimular a criação de cursos de formação em IA de diversos níveis (técnico, bacharelado e pós-graduação), de modo a auxiliar a população a migrar de suas profissões para profissões mais alinhadas com o futuro do trabalho.”

Em acordo com os aspectos destacados pelo pesquisador, fica claro que tanto a iniciativa privada quanto o governo são essenciais para o desenvolvimento de pesquisas e, também, para que haja cada vez mais formações profissionais no campo de inteligência artificial. Afinal, é preciso que o Brasil invista em IA para alcançar um maior poder político e econômico no futuro.